Postagens

Áreas de atuação como pesquisadora e orientadora do mestrado PPGAC/UFOP

Letícia Mendes de Oliveira, conhecida artisticamente como Letícia Andrade (sobrenome materno), é atriz, dramaturga e diretora. Hoje é professora efetiva do DEART/IFAC, da Universidade Federal de Ouro Preto, na área de teoria da encenação e iluminação e professora do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas do IFAC/UFOP. De 2013 a 2016, foi professora de Práticas Cênicas, Iluminação e Teoria Teatral do Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Sergipe. Doutora em Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Escola de Belas Artes da UFMG, com a tese "O papel do espectador nas dramaturgias contemporâneas brasileiras" [Orientador: Dr. Antonio Hildebrando]. Mestre em Teoria da Literatura, pelo Programa de Pós-graduação em Estudos Literários, UFMG, com a dissertação intitulada: "Instantâneos: o conto mínimo e a cena teatral em Fernando Bonassi" [Orientador Dr. Luis Alberto Brandão]. Formada no curso de formação de atores Teatro Universitário da UFM…

Ciclos de palestras sobre Teatro no Galpão Cine Horto Projeto Sabadão 1ºsemestre de 2017

Imagem
1. Palestra Olhares sobre a história do teatro grego, medieval e renascentista
Exposição e debate horizontal sobre o panorama histórico, social e artístico do teatro grego, medieval e renascentista ocidental, de modo recortado, e suas reverberações na atualidade. Discussão dinâmica do assunto por meio de leitura dramática de trechos selecionados e da apresentação dos principais aspectos de duas dramaturgias e uma farsa: Medéia, de Eurípedes, Os estudantes e o campônes, de autor anônimo e Macbeth, de Shakespeare. Sábado, 8 de abril de 2017, de 14h às 17h, no Galpão Cine Horto.


2. Desobediência, genialidade e paixão no Teatro Romântico e Realista Contextualização do período neoclássico e barroco como ponto de partida. A exposição enfoca o Romantismo e Realismo. Debate horizontal sobre o panorama histórico, social e artístico do teatro romântico e realista dos séculos XVIII e XIX, de modo recortado, e suas reverberações na contemporaneidade. A desobediência, paixão e genialidade como aspecto…

Espetáculo Estranhos, apresentado em espaço não-convencional (vídeo integral)

Imagem
Dia 17 de Setembro de 2015. Durante a Blitz Cultural do Grupo Boca de Cena, no Bugio em Aracaju, Sergipe, Brasil. Direção, concepção, cenografia e preparação de atores: Letícia Andrade. Direção Musical: Humberto Barreto Dramaturgia coletiva Atuação: Anderson Brito, Audevan Caiçara, Bárbara Sabatele, Claudia Siog, Hiel Gomes, Humberto Barreto, Jad Rocha, Jonathan Rodrigues, Jorge Sil, Letícia Andrade, Maiara Nascimento, Raul Henrick, Sara Sil, Yasmin Azevedo. Criação do cartaz: Hiel Gomes Produção: Letícia Andrade e Sara Sil Contato: leticiaandrade2000@yahoo.com.br Duração: 50 min. Indicação etária: 16 anos. O Teatro de Bando faz parte do Sub-grupo de pesquisa Labor+ação, faz parte do grupo de pesquisa da UFS Ardico – CNPq,  da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE-UFS.




https://www.youtube.com/watch?v=5lmCoSleQ6s&feature=youtu.be

Apresentação Estranhos no Evento UMA: UFS Mostra de Artes no Teatro Atheneu, em Aracaju Sergipe

Imagem

Artigo publicado no site do grupo Artehúmus de São Paulo

http://www.artehumus.com.br/#!cadernos-tericos/c20op

https://drive.google.com/file/d/0B8fQs9qnHI0kVlgzZU50X2RjRGc/view


Dramaturgia da recepção: anotações sobre uma experiência prática com a Cia. Artehúmus de Teatro
Letícia Mendes de Oliveira

O trabalho (e o prazer) do espectador consiste em afirmar sem trégua uma série de microescolhas, de miniações para focalizar, excluir, combinar, comparar. Patrice Pavis 

Convidada para participar da fase de estudos e práticas do projeto Teatro de ConDomínio - Cartografia Pública e Privada, da Cia. Artehúmus de Teatro, através da condução da oficina Dramaturgia da Recepção, realizada em Julho de 2013, minha tarefa foi investigar com os participantes algumas práticas e pensamentos sobre os modos de criação da cena a partir da relação com os espectadores, questão que permeia meu trabalho e que também está presente na pesquisa cênica do grupo. Desde 2010, em um encontro com Evill Rebouças em um congresso de artes cênicas em São Paulo, iniciei um diálogo a…

Estranhos nova apresentação em Setembro

Imagem
É com prazer lascivo e afetuoso que convidamos vocês para assistir ao nosso espetáculo “Estranhos”, com direção de Letícia Andrade e com o grupo de teatro UFS Labor+ação, durante o evento da Blitz Cultural, realizado pelo Grupo Boca de Cena, em sua sede. Dia 17 de Setembro, quinta, às 19h Local: Sede do Grupo Boca de Cena. R. 04 n° 80 Loteamento Nova Liberdade II/ Bugio, ônibus: Atalaia Bugio ou Augusto Franco Bugio, final de linha do Bugio ponto para descer. Duração: 50 min. Indicação etária: 16 anos Entrada Gratuita, mediante senha, que será distribuída no dia, a partir das 18h, no local de apresentação. Lotação da Casa 30 lugares. Ficha Técnica: Direção, concepção, cenografia e preparação de atores: Letícia Andrade Direção Musical: Humberto Barreto Dramaturgia coletiva Atuação: Anderson Brito, Audevan Caiçara, Bárbara Sabatele, Claudia Siog, Hiel Gomes, Humberto Barreto, Jad Rocha, Jonathan Rodrigues, Jorge Sil, Letícia Andrade, Maiara Nascimento, Raul Henrick, Sara Sil, Yasmin A…

Uma nova crítica no meu blog burburinho

No olho da Rua: relato afetivo sobre o espetáculo Viveiros do Boca de Cena
Com afeto e olhar aberto ao futuro, quero descrever um pouco do que senti ao assistir Viveiros, do jovem grupo Boca de Cena. O experimento, laboratório ou espetáculo lança questões sobre o universo urbano da periferia. Vi o trabalho no dia 16 de maio de 2015, num sábado, no bairro Bugio, de Aracaju. Quando comecei ouvir os relatos sobre histórias do bairro, veio o desejo de recordar do meu próprio bairro onde cresci, e comecei a me lembrar do lugar onde vivi e que também tive meus medos e minhas esperanças, tais como emViveiros, que apresenta histórias universais, recolhidas do dia-a-dia do Bairro do Bugio.
Visitem e leiam o artigo completo:

lhttp://criticadeespetaculos.blogspot.com.br/2015/05/no-olho-da-rua-relato-afetivo-sobre-o.html